sábado, 2 de julho de 2011

Saudade




"Saudade é um pouco como fome. Só passa quando se come a presença. Mas às vezes a saudade é tão profunda que a presença é pouco: quer-se absorver a outra pessoa toda. Essa vontade de um ser o outro para uma unificação inteira é um dos sentimentos mais urgentes que se tem na vida." (Clarice Lispector)







Um pouco do que sou é verdade, todo o resto é saudade, resumida em pequenos dias de alegria, misturado com um tanto de equilíbrio, acompanhado de uma grande quantia de liberdade, salvo os dias que eu estou triste - é claro - é preciso passar por eles também para se ter certeza que está vivo.


Beijos,
Gá Agulhinha.

quinta-feira, 23 de junho de 2011

Crônica do Amor - Arnaldo Jabour


"Ninguém ama outra pessoa pelas qualidades que ela tem, caso contrário os honestos, simpáticos e não fumantes teriam uma fila de pretendentes batendo a porta.

O amor não é chegado a fazer contas, não obedece à razão. O verdadeiro amor acontece por empatia, por magnetismo, por conjunção estelar.

Ninguém ama outra pessoa porque ela é educada, veste-se bem e é fã do Caetano. Isso são só referenciais.

Ama-se pelo cheiro, pelo mistério, pela paz que o outro lhe dá, ou pelo tormento que provoca.

Ama-se pelo tom de voz, pela maneira que os olhos piscam, pela fragilidade que se revela quando menos se espera.

Você ama aquela petulante. Você escreveu dúzias de cartas que ela não respondeu, você deu flores que ela deixou a seco.

Você gosta de rock e ela de chorinho, você gosta de praia e ela tem alergia a sol, você abomina Natal e ela detesta o Ano Novo, nem no
ódio vocês combinam. Então?

Então, que ela tem um jeito de sorrir que o deixa imobilizado, o beijo dela é mais viciante do que LSD, você adora brigar com ela e ela adora implicar com você. Isso tem nome.

Você ama aquele cafajeste. Ele diz que vai e não liga, ele veste o primeiro trapo que encontra no armário. Ele não emplaca uma semana nos empregos, está sempre duro, e é meio galinha. Ele não tem a
menor vocação para príncipe encantado e ainda assim você não consegue despachá-lo.

Quando a mão dele toca na sua nuca, você derrete feito manteiga. Ele toca gaita na boca, adora animais e escreve poemas. Por que você ama
este cara?

Não pergunte pra mim; você é inteligente. Lê livros, revistas, jornais. Gosta dos filmes dos irmãos Coen e do Robert Altman, mas sabe que uma boa comédia romântica também tem seu valor.

É bonita. Seu cabelo nasceu para ser sacudido num comercial de xampu e seu corpo tem todas as curvas no lugar. Independente, emprego fixo, bom saldo no banco. Gosta de viajar, de música, tem loucura
por computador e seu fettucine ao pesto é imbatível.

Você tem bom humor, não pega no pé de ninguém e adora sexo. Com um currículo desse, criatura, por que está sem um amor?

Ah, o amor, essa raposa. Quem dera o amor não fosse um sentimento, mas uma equação matemática: eu linda + você inteligente = dois apaixonados.

Não funciona assim.

Amar não requer conhecimento prévio nem consulta ao SPC. Ama-se justamente pelo que o Amor tem de indefinível.

Honestos existem aos milhares, generosos têm às pencas, bons motoristas e bons pais de família, tá assim, ó!

Mas ninguém consegue ser do jeito que o amor da sua vida é! Pense nisso. Pedir é a maneira mais eficaz de merecer. É a contingência maior de quem precisa."


Beijos,

Gá Agulhinha.

quinta-feira, 16 de junho de 2011

De todos os sentimentos que possam existir, o que mais me impressiona -
o que eu mais simpatizo também - é o fabuloso Esquecimento.

Quem nunca quis?

Esquecer um Amor; Esquecer uma Dor; Esquecer uma mágoa; Esquecer o dia que foi ruim; Esquecer o tempo que não foi bom; Esquecer as tristezas; Esquecer alguém;
Esquecer.. esquecer.. esquecer...

Ninguém ama um esquecimento, ninguém dói um esquecimento; ninguém magoa um esquecimento, ninguém entristece um esquecimento...

E se hoje me perguntarem o que preciso no momento, não vou dizer Amor, não vou dizer felicidade, não vou dizer que quero um dia bom ou que quero alguém - afinal, já tenho todos esses sentimentos grudados em mim - simplesmente vou querer que me ensinem de verdade como consigo achar esse cara, chamado esquecimento.



Beijos,
Gá Agulhinha.

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Desassossegados



Minhas lindas!!
Quanto tempo não passo aqui, algumas correrias do dia-a-dia me fizeram afastar dos prazeres da internet. Juro que não abandonei este blog, quero me redimir por todo este tempo!
Vou dar umas "sapiadas" pelos blogs e conferir as novidades de vocês também.

Beijos,

Gá Agulhinha


~

Desassossegados


"A inquietação que nos torna insuportavelmente exigentes com a gente mesmo e a ambição de vencer não os jogos;mas o tempo;este adversário implacável.

desassossegados do mundo correm atrás da felicidade possível;e uma vez alcançado seu quinhão;não sossegam:saem atrás da felicidade improvável;aquela que se promete constante;aquela que ninguém nunca viu;e por isso sua raridade.

desassossegados amam com atropelo;cultivam fantasias irreais de amores sublimes;fartos e eternos;são sabidamente apressados;cheios de ânsias e desejos; amam muito mais do que necessitam e recebem menos amor do que planejavam.

desassossegados pensam acordados e dormindo; pensam falando e escutando;pensam ao concordar e; quando discordam;pensam que pensam melhor;e pensam com clareza uns dias e com a mente turva em outros;e pensam tanto que pensam que descansam.

desassossegados não podem mais ver o telejornal que choram;não podem sair mais às ruas que temem;não podem aceitar tanta gente crua habitando os topos das pirâmides e tanta gente cozida em filas;em madrugadas e no silêncio dos bueiros.

desassossegados vestem-se de qualquer jeito;arrancam a pele dos dedos com os dentes;homens e mulheres soterrados;cavando uma abertura;tentando abrir uma janela emperrada;inventando uns desafios diferentes para sentir sua vida empurrada;desassossegados voltados pra frente.

desassossegados desconfiam de si mesmos;se acusam e se defendem;contradizem-se;são fáceis e difíceis; acatam e desrespeitam as leis e seus próprios conceitos;tumultuados e irresistíveis seres que latejam.

desassossegados têm insônia e são gentis;lhes incomodam as verdades imutáveis;riem quando bebem; não enjoam;mas ficam tontos com tanta idéia solta;com tamanha esquizofrenia;não se acomodam em rede;leito; lamentam a falta que faz uma paz inconsciente.

eu sou;e só sossego quando me aceito."

por -
Martha Medeiros


~